Você provavelmente deseja compartilhar toda a sua comida deliciosa com seu filhote peludo, principalmente se ficar muito em casa com ele. Afinal, quem pode resistir àqueles olhos de cachorrinho implorando por um pedaço de carne? Mas calma: você pode causar problemas ao seu pet. Às vezes, ser um bom pai de cachorro também é saber quando dizer “não”. Alguns alimentos são simplesmente ruins para os cães e podem causar todos os tipos de problemas de saúde. Mesmo que seu cão tenha ingerido esses alimentos no passado sem problemas, eles podem estar causando problemas sérios dos quais você talvez não esteja ciente. Aqui estão alguns alimentos que você nunca deve dar como alimento a cães, não importa o quanto eles implorem.

 

O primeiro é bem conhecido: chocolate

No topo da lista de alimentos ruins para cães está o que você provavelmente já ouviu falar com mais frequência: chocolate. A teobromina, principal componente do chocolate, não é prejudicial aos seres humanos, mas é tóxica para os cães. Ela é encontrada em todos os tipos de chocolate, mas especialmente no chocolate escuro e no chocolate crocante. Pode causar vômito, diarreia e sede excessiva, mas, no extremo, pode causar arritmia cardíaca anormal, convulsões, tremores ou morte. Guarde esse tipo de doce para você mesmo(a).

 

Segundo alimento proibido: ‘bacon’ e carne gordurosa

Por que seu cachorro não pode comer ‘bacon’? Bem, alimentos ricos em gordura, como ‘bacon’, presunto ou restos de carne com gordura, podem causar pancreatite em cães. E como essas carnes também costumam conter alto teor de sal, elas podem causar dores de estômago e, em casos extremos, fazer com que os cães bebam muita água, provocando inchaço em seu estômago, o que pode ser fatal a eles. Guarde as carnes gordurosas para si e fique com as opções mais magras para o seu cão.

 

 Alimentos salgados nem pensar

Você já deve ter ouvido falar que pipoca e biscoitos são ruins para cães, mas esse geralmente será o caso se esses alimentos estiverem salgados. O sal pode causar uma condição chamada envenenamento por íons sódio, sem mencionar a sede ou a micção excessiva. Os sintomas de comer muito sal podem incluir vômitos, diarreia, alta temperatura corporal e convulsões, além de inchaço, como também ocorre com o ‘bacon’. O sal pode ser fatal; portanto, mantenha-o num nível absolutamente mínimo nos alimentos que você compartilha com seu filhote, ou simplesmente  não os tempere com sal.

 

Temperos não caninos: alho e cebola

Essa combinação destes dois ingredientes não apenas permite que um dragão respire, nos contos de ficção, como repele os vampiros, mas estes ingredientes picantes são péssimos para os cães. Eles podem realmente destruir os glóbulos vermelhos de um cão, levando à anemia, se consumidos em grandes quantidades. Difícil às vezes retirá-lo de um alimento que queremos – digamos – dividir com nosso cão, considerando também que uma dose pequena pode não causar muito dano. O problema é que uma dose grande ou pequenas doses regulares podem levar ao envenenamento. Os sintomas podem incluir fraqueza, vômito, falta de ar e perda de interesse pela comida. Mantenha o mau hálito causas por esses dois temperos apenas para si mesmo, por favor, porque os cães não merecem sofrer por conta deles!

 

Leite, queijo, sorvete e outros produtos lácteos

Você pode ter colocado um comprimido dentro de um pedaço de queijo para uma ocasião em que seja necessário administrar um remédio que ele não comerá espontaneamente,certamente acreditando que está fazendo o melhor para seu animalzinho de estimação, mas os cães não são realmente feitos para processar produtos lácteos de vaca. Eles não têm a enzima para quebrar o açúcar do leite e, enquanto alguns cães são mais capazes de lidar com laticínios do que outros, muitos cães são intolerantes à lactose. Os laticínios podem causar vômito, diarreia ou levarem a doenças gastrointestinais. O alto teor de gordura pode levar à pancreatite, como também ocorre com carnes gordurosas. Não compartilhe seus laticínios com seu cão. Sobrará mais sorvete para você!

 

Carne, peixe e ovos crus

Aqui, há uma controvérsia, pois muitos veterinários enxergam benefícios para a saúde de seus pacientes mudando para dietas à base de carne crua, que proporcionariam aos animais peles e pelos mais saudáveis, dentes mais limpos e digestão mais fácil. Alguns veterinários recomendam cozinhar alimentos crus para matar bactérias e parasitas que podem ser prejudiciais aos cães. A maioria dos veterinários e o órgão responsável pela regulamentação de alimentos e remédios nos EUA, a poderosa FDA, ainda desencorajam a alimentação de carne crua para cães, porque podem provocar infecções por salmonela ou pela bactéria Esterichiacoli, que provoca colite e gastrite em humanos e cães. A maioria dessas infecções ocorre em cães cujos sistemas imunológicos já estão comprometidos, mas pode ser difícil dizer se o sistema imunológico do seu cão está completamente saudável. 

Já ovos crus têm enzimas que podem causar problemas de pele em cães, e peixes crus podem esconder parasitas que causam doenças fatais. Existem riscos para uma dieta baseada nesse tipo de alimento cru que você precisa pesar contra os benefícios alegados, antes de decidir experimentá-la. Esses riscos podem ser reduzidos através do congelamento e da preparação adequada, mas você precisa aprender a lidar adequadamente com alimentos crus antes de oferecê-los a seu cão.

O importante é entender que não é absolutamente seguro correr para a mercearia, comprar carne crua e jogá-la na tigela do seu cão ou permitir que ele roube carne não preparada da sua pia ou do lixo. Se você está planejando mudar para uma dieta crua para seu cão, precisa aprender sobre a preparação adequada dos alimentos, para que o risco de infecção bacteriana ou parasitária possa ser minimizado, então, saiba sobre a quantidade apropriada para alimentar seu cão e leve em consideração a saúde geral dele. Pesquise e compreenda os riscos e mantenha-se informado; caso contrário, seu cão pode acabar ficando muito doente!

 

Doces, chicletes, pasta de amendoim e bolos

O verdadeiro culpado quando se trata desses doces é um ingrediente chamado xilitol. Isso causa um aumento de insulina no corpo do seu cão, que pode levar a uma queda no açúcar no sangue e na insuficiência hepática. Os sintomas incluem letargia, vômito, perda de coordenação, convulsões e, eventualmente, morte. Vários desses alimentos, especialmente a pasta de amendoim, às vezes são feitos sem xilitol; portanto, verifique a lista de ingredientes em seus alimentos antes de compartilhá-los com seu cão.

 

Uvas “in natura” e passas

Este é um caso de alimentos perigosos que podem facilmente enganar você, pois seu cão provavelmente comeu algumas uvas ou passas sem problemas. Mas é um hábito arriscado. Uvas “in natura” e passas são conhecidas por causar insuficiência renal em cães. Os rins do seu cão podem começar a apresentar insuficiência, o que lhe provocará vômitos e letargia e, eventualmente, pode levá-lo à morte. É melhor manter as uvas “in natura” e as passas fora do alcance do seu cão.

 

Alimentos glaceados

Alimentos glaceados não são bons nem para humanos nem para cães. De fato, isso pode levar a problemas semelhantes para ambos, como obesidade, problemas de saúde bucal e diabetes resultantes do hábito de comer demais alimentos com alto teor de açúcar. Não dê  açúcar a seu cão, e todos provavelmente devemos considerar reduzir o açúcar que ingerimos também.

 

Abacate, a fruta definitivamente proibida

Grande parte da controvérsia em torno dos abacates quando se trata de cães gira em torno da persina, uma substância que os abacates têm em suas folhas, sementes, casca e frutas. A persina pode ser tóxica em doses elevadas. Os cães são, no entanto, bastante resistentes à persina, e seria necessário muito abacate para que a persina causasse danos a eles, e, maduros os abacates, os níveis de persina também caem. Então, qual é o problema com abacates?

Bem, se você tem um abacateiro em sua casa ou no seu quintal, seu cão pode exagerar na ingestão dessas frutas e, obviamente, dapersina, mas o perigo real vem das sementes, dos caules e dos caroços, todos difíceis de digerir e que podem causar obstruções gastrointestinais ou até asfixia, as quais podem ser fatais. 

Se você tem um abacateiro, como muitas pessoas fazem em certas propriedades em muitos países, certifique-se de que seu filhote não chegue perto dele ou da fruta que cai no chão. Se quiser, você pode preparar abacates para o seu cão removendo as partes nocivas, especialmente as cascas e os caroços, e usando abacates maduros. Se o fizer, é provável que o seu cão possa desfrutar de abacates com segurança, mas, como sempre, você deve perguntar ao seu veterinário antes de compartilhar a comida humana com seu cão.

 

Outros alimentos e produtos que devem ficar longe dos cães

Outros produtos que não são necessariamente alimento para você e que seu cão deve ficar longe incluem: massa de fermento cru; sementes e caroços de frutas; batata crua; ossos cozidos; caroços de maçã; álcool, cafeína, creme dental, enxaguatório bucal,remédiosou vitaminas para humanos; comida de gato; milho na espiga; tudo o que contiver lúpulo e fermento (cuidado, portanto, com a cerveja!), pimentas; tomate; caqui, pêssego, ameixas e frutas que estimulam o intestino; macadâmia, nozes e frutas assemelhadas; fígado; produtos tóxicos inclusive para o homem, como tabaco e maconha; comida velha e sobras; e lanches humanos.  

Não deixe seu cão próximo a esses alimentos e produtos, pois eles podem levar a possíveis intoxicações, engasgos, problemas gastrointestinais e até à morte. 

Siga uma dieta aprovada pelo seu veterinário ou pesquise alguns alimentos saudáveis que você pode compartilhar com seu cão . Resista a essa cara fofa e guarde a maior parte da comida humana para si.

Disso tudo, podemos concluir que nem todos os alimentos humanos ou os produto para uso humano são adequados para os cães. 

 

Alimentos humanos seguros para os cães

Parece que quase nada pode, mas não é bem assim. Carnes magras, ovos cozidos sem tempero nenhum, são fontes ótimas de proteínas para eles, que vão adorar como petiscos. 

As frutas que podem ser divididas com eles, sem exagero são: bananas, fatias de maçã (não maçãs inteiras), morangos, amoras, melancias, mangas, laranjas, peras, abacaxis e framboesas. Os pêssegos são passáveis, desde que não em calda, muito de vez em quando e não muito maduros. 

Já legumes que podem ser oferecidos são: brócolis, couve-de-bruxelas, cenoura, salsão, pepino, vagem, ervilha, batata cozida, espinafre e batata doce cozida. 

Para cães com problemas de dor de estômago ou diarreia, um franguinho bem cozido em água sem tempero e um arroz branco são aconselhados para firmar as fezes, além de nutri-los quando em processo de recuperação de alguma enfermidade. 

Rações frescas preparadas à base de ingredientes usados em alimentos humanos estão disponíveis em casas de produtos para cães e normalmente têm ótima qualidade, não havendo praticamente restrições a seu uso – desde que, claro, sem exageros, inclusive para não atrapalhar a nutrição de animais acostumados a comer ração, que é o alimento por excelência, balanceado e correto para seu cão. 

Você também pode preparar receitas, como biscoitinhos deliciosos, mas sempre deve consultar especialistas, como um veterinário ou pessoas que se dedicam a fazer e ensinar a fazer receitas de iguarias saudáveis para cães. 


Gostou? Compartilhe com os seus amigos!