O gato persa é o emblema vivo da beleza felina. Sedentário e preguiçoso, mas muito afetuoso, adapta-se perfeitamente à vida doméstica.

 

O que é ter um gato persa em casa

Parece que os gatos persas são originários da Ásia Menor.  Os primeiros exemplares furam levados à Europa em 1626 por Pietro dalla Valle, um estudioso das raças felinas quem primeiramente percebeu a beleza desses gatos pelo magnífico e longuíssimo pelo. No início, pelo  princípio da seleção, deu-se o nome de gato angorá ou, estranhamente, de gato francês (talvez porque na França era muito apreciado e procurado). Quando depois, sucessivamente, do Irã foi importada uma variedade de gatos menores e mais atarracados e com o pelo longo, foi criado o moderno persa. Em 1871, enfim, quando foi organizada a primeira grande exposição felina pelo inglês Harrison Weir, o progenitor da raça triunfou sobre os outros concorrentes. Daí, então, iniciaram-se os projetos de seleção desse belíssimo felino pela maravilhosa pelagem. Esse tipo de gato foi logo apreciado na época vitoriana, e conta-se que a Rainha Vitória teria sido a proprietária de magníficos exemplares de cor azul.

 

 

Uma pelagem inimitável, um caráter pacífico e sedentário

Sua pelagem é longa e muito macia, podendo ter várias tonalidades e cores que distinguem a raça, já tendo sido encontradas cerca de duzentas combinações: entre as mais difundidas, as de cores “sólidas” (branco, creme, preto, azul, chocolate, lilás e vermelho) e as tonalidades na forma chamada Tortie, que tem esse nome por conta da semelhança com uma “carapaça de tartaruga”, com cores predominantes preta, azul-creme,chocolate ou lilás; também há os listrados, chamados ‘Tabby’. A característica de comportamento mais importante do persa é ser ele dócil e pacífico, afetuoso e muito adaptado como companhia. Não necessitando de grandes espaços, passam a maior parte do dia deslocando-se de um cômodo a outro e dormindo em cada sofá ou poltrona da casa. Quem não gosta de gatos que saem frequentemente para a aventurar-se em atividades predatórias pode encontrar nesse dulcíssimo felino um companheiro incomparável.

 

A saúde dos persas 

Existem, no entanto, duas variedades diferentes de gatos persas: o “normótipo”, também chamado de rosto de boneca, no qual o perfil ainda se projeta dos olhos, e a variedade hipertípica, na qual as características típicas do persa, como o focinho achatado, são exasperadas e potencialmente problemáticas para a saúde do gato, como problemas respiratórios ou até oculares. O persa tem pernas curtas e atarracadas e pés largos e redondos. Seu focinho é arredondado e parece achatado, com nariz afundado e grandes olhos redondos muito coloridos e expressivos, cujos tons variam do alaranjado ao azul, ao verde e ao marinho, com algumas exceções para alguns, que podem ter um olho alaranjado e um azul. Possui orelhas pequenas que caracterizam sua expressão. É um gato que exige muito cuidado por causa de sua pelagem longa (chega a medir cerca de 20 centímetros), embora exista a variedade de pelos curtos, que é a Exotic Shorthair (já pelo nome, percebe-se ser exceção). Os persas devem ser penteados todos os dias, e o mesmo vale para a limpeza dos olhos, devido à copiosa laceração causada pelo formato do nariz afundado, que não permite a descarga de muco em indivíduos hipertípicos. Os machos são muito maiores que as fêmeas, e isso também é uma característica da raça. De fato, os machos pesam cerca de 6 quilos e meio, enquanto as fêmeas permanecem em torno de 3 e meio. Ele, definitivamente, não é um gato de caça, mas um gato de pista e de companhia.

 


Gostou? Compartilhe com os seus amigos!